12 de Outubro, 2016
A Avaliação na Next Level vista pelos Principais Intervenientes

Chegou o dia do grande teste

Teresa Nogueira
No dia da avaliação os treinadores focam-se nos aspectos táticos e técnicos do atleta

A Next Level realizou no último Sábado mais uma avaliação de futebol para selecionar atletas que pretendem tirar um curso superior numa universidade norte-americana e praticar, ao mesmo tempo, o seu desporto favorito. Para perceber em que consistem as avaliações da Next Level falámos com atletas que passaram por esta prova e com o nosso coordenador desportivo.

Falar em avaliações desportivas é também falar em nervosismo por parte dos atletas e muito rigor por parte dos treinadores que vão fazer a seleção dos futuros atletas-estudantes. O que está em causa nesse dia é analisar a performance técnica dos candidatos e determinar se estes terão ou não as qualidades que lhes permitam obter uma bolsa desportiva numa universidade dos Estados Unidos.

“Na sua performance desportiva avaliamos principalmente as questões táticas, procurando saber se os atletas entendem os princípios básicos do jogo e as suas tomadas de decisão. Relativamente à parte técnica procuramos ver todo o tipo de relação com a bola que o atleta apresenta, valorizando o máximo de simplicidade possível nos processos com e sem bola”, explica Daniel Simões, coordenador desportivo da Next Level e um dos treinadores responsáveis pela seleção dos atletas no dia da Avaliação.

Pedro Frazão deixa alguns conselhos a quem participa na Avaliação Next Level

E o que deve um atleta Next Level ter para ser bem-sucedido? Daniel Simões não tem dúvidas: “O atleta tem de ter o querer e a ambição, em conjunto com uma grande dose de humildade. Saber que vem para ser avaliado, mas que essa avaliação não seja vista como a última oportunidade da vida. Há que ter um nervosismo qb. mas não tanto que nos impeça de avaliar os seus comportamentos.”

Nervosismo, mas também confiança
Atleta Next Level há oito meses, Pedro Frazão conta o que sentiu no dia da sua avaliação: “Nesse dia estava nervoso, mas, apesar disso, não sentia que tinha que demonstrar que era um Cristiano Ronaldo. Apenas sentia que tinha de fazer o que melhor sei fazer. Fui para lá a pensar que se conseguisse entrar no projeto, iria dedicar-me a 100% para que tudo corresse bem. Se não conseguisse, ficava com uma grande experiência daquele dia, que me iria ficar na memória e que mais tarde poderia voltar a tentar.

Pedro recorda com agrado aquele dia sublinhando que correspondeu às suas melhores expectativas. “Lembro-me que não conhecia ninguém e dentro do campo não se notar isso, parecia que jogávamos juntos há anos. Dei-me muito bem com os jogadores e fiz logo ali algumas amizades. Foi um dia diferente dos outros, em que tive a oportunidade de conhecer o Dimas”, refere o atleta da Nazaré, acrescentando: “Eu não ia com o dever de ‘entrar’ na Next Level, apenas queria aproveitar a oportunidade que me estava a ser dada de demonstrar o meu valor e de talvez conseguir pertencer ao projeto, mas caso não fosse possível, não haveria problema nenhum, que poderia tentar mais tarde.”

E o que diria Pedro aos atletas que se candidatam agora? A resposta é simples: “Pessoalmente já dei vários conselhos a amigos da minha terra. Disse-lhes para não se sentirem pressionados porque não iam ser julgados ou criticados caso não corresse bem”, refere Pedro Frazão, acrescentando: “Disse-lhes também que a avaliação era tal e qual um jogo de futebol e para não se desmotivarem caso não conseguissem entrar porque isso provavelmente já aconteceu com muitos outros atletas e não foi por isso que eles deixaram de perseguir o que pretendem alcançar”.

Há dois meses no programa de preparação para os EUA, o atleta André Dinca conta como foi o dia do seu teste

André Dinca, atleta-estudante Nex Level há dois meses tem bem presente o dia da sua avaliação. “Senti-me confiante. Queria muito agarrar esta oportunidade e mostrar o meu futebol. Quando começou o jogo, estava 100% focado e sabia que ia correr bem”, confessa este médio centro que sonha vir a jogar na equipa de uma universidade norte-americana.

André confirma que a avaliação foi ao encontro das suas expectativas e conta como tudo se passou. “Estava tudo bem organizado. Antes de começar a avaliação deram-nos uma palestra para ficarmos a conhecer um pouco melhor o projeto da Next Level e ainda nos deram umas palavras de motivação”.

Para quem agora se inscreve, o atleta deixa preciosos conselhos: “Não fiquem nervosos, durmam bem na noite anterior, e acima de tudo divirtam-se a jogar. O resto acabará por vir!”.

footer-top