18 de Setembro, 2017
O GUARDA-REDES HUGO MARTINS CONFESSA TER SAUDADES DE PORTUGAL MAS DIZ ESTAR A VIVER UMA EXPERIÊNCIA ÚNICA

"Estou rodeado de grandes atletas que jogam a um nível muito elevado"

Hugo (a amarelo) contou com a preciosa ajuda do atleta Rui Sousa que entrou na UNOH há um ano

No início de agosto, o jovem guarda-redes Hugo Martins partiu para os Estados Unidos para dar início à maior aventura da sua vida. Recrutado pela University of Northwestern Ohio (UNOH), Hugo chegou a Lima, no estado do Ohio, para estudar Sports Marketing and Management e jogar na equipa de futebol da universidade. Um mês depois, fomos ver como foi a integração deste atleta-estudante português e que balanço faz da sua estadia até hoje.

1. Ao fim de um mês que balanço fazes desta aventura pelos Estados Unidos? Ao fim deste mês faço um balanço muito positivo, a nível pessoal e desportivo, no Campus da UNOH, muito por causa dos meus colegas que me ajudaram e muito graças ao Rui (outro atleta da Next Level), que me ajudou logo a integrar no grupo e me deu alguns conselhos ainda em Portugal e muitos mais aqui!

2. Como é ser um estudante-atleta nos EUA? Talvez seja a coisa mais complicada, nas primeiras duas semanas. É preciso saber gerir muito bem o tempo, embora tendo só 3 horas de aulas por dia, é preciso estudar muito em casa. Uma professora minha disse-me que por cada hora de uma aula de 3 créditos é preciso estudar pelo menos 3 horas em casa. Ainda depois disto tenho cerca de duas horas de treino e trabalho complementar no ginásio que tento fazer todos os dias para estar em forma. Mas ao fim deste mês já está tudo organizado e torna-se muito mais fácil.

3. Como foi a adaptação? A minha adaptação ao ambiente foi muito rápida. Não tendo aqui os pais, vemos as pessoas com quem partilhamos a casa como família. Na minha universidade procuram misturar os freshman com as pessoas que já estão cá na universidade há mais tempo para a integração no grupo ser mais rápida. Procuraram também não meter pessoas que falem a mesma língua juntas para nos habituar a falar inglês logo que chegamos aqui para quando começarmos as aulas já estarmos mais à vontade. O clima é um pouco diferente, mas nada de mais. A parte mais complicada para me adaptar foi ter que pôr a roupa a lavar e passar a ferro! :)

4. Como tens gerido as saudades de casa e do teu país? As saudades de tudo são muitas, é difícil estar longe de tudo e não conseguir falar apropriadamente com a família e amigos. Tenho falado diariamente com pais e amigos por mensagens e videochamadas para conseguir matar saudades. Posso dizer que a coisa que sinto mais falta é a comida da minha mãe (sem ser o stroganoff que já fiz um muito bom :P). Também trouxe algumas coisas para me lembrar de casa e de toda a gente que deixei em Portugal para viver uma experiência que imagino será inesquecível, tem sido até agora e continuará a ser de certeza.

Os portugueses Hugo Martins e Rui Sousa com os companheiros de equipa da UNOH

5. O que estás a achar do ensino norte-americano? O ensino norte-americano é diferente do português, puxam muito mais pelas discussões em aulas para sermos nós a procurar as respostas aos problemas/matéria o que é muito mais apelativo. Não há resposta certa para nada e os professores ajudam sempre a encontrar o caminho certo, estando disponíveis para repetir o que disseram até percebermos o que pretendem transmitir à turma! O importante para o ensino norte-americano é encontrar o que achamos interessante e importante para continuarmos empenhados no que fazemos. Os professores apelam muito também para que nos juntemos a clubes na universidade para conhecermos pessoas que se interessem pelo mesmo que nós e criar uma experiência muito positiva para todos.



6. Como são vistos os atletas de futebol nos EUA? Acho que são vistos com imenso respeito, pois o desporto nos EUA é levado muito a sério. Aqui na UNOH temos sempre a bancada quase cheia para verem os jogos mesmo eu estando na JV, (equipa B). Há também uma interajuda entre os desportos, vamos ver os jogos uns dos outros para nos apoiarmos, tanto feminino como masculino, todos representamos a mesma universidade e queremos levar o nome desta instituição o mais longe possível. Talvez seja por isto que somos respeitados pelos nossos colegas de estudo e pelas pessoas da cidade também, que querem ver o nome da cidade/estado acima dos/das outros/outras. Falando só de futebol acho que é um desporto que está em evolução aqui nos EUA, muita gente sabe o que é, mas não sabe as regras, mas somos respeitados na mesma devido a sermos a 4ª melhor faculdade a nível nacional no que toca ao futebol!

7. O que esperas deste ano? Espero ter uma vida confortável sem doenças e decepções, fazer muitas amizades e que me corra tudo bem a nível desportivo e académico!

8. Quais são os teus objectivos de futuro? A nível académico espero tirar as melhores notas possíveis (A/B) em todas as cadeiras, vou-me empenhar ao máximo para o conseguir. A nível desportivo espero subir para a varsity (equipa A) e ganhar um lugar na equipa. Tenho tido um feedback bom dos treinadores em relação aos meus treinos. Espero continuar bem e conseguir cumprir estes objetivos.

A vida como atleta da UNOH faz-se de muitas viagens, muito divertimento e muito companheirismo

9. Quais foram as maiores dificuldades que sentiste? As maiores dificuldades que senti aqui foi a nível físico de aguentar os treinos que são muito mais físicos na pré-época, e ainda por cima tínhamos bi-diários. Chegava ao final do dia de rastos. Mas com o tempo entrei em forma e as dificuldades que senti passaram.

10. O que achaste do processo de obtenção da elegibilidade pela liga desportiva? O meu processo foi muito rápido, sem qualquer problema. Graças à Next Level que me disse tudo o que tinha de fazer para não haver nenhum problema.



11. Como é o ambiente com os teus colegas de equipa e a equipa técnica? O ambiente é muito amigável entre todos, entre jogadores e com os treinadores. Logo no início, os treinadores fizeram-nos ver que a interajuda é muito importante, o que contribuiu muito para um ambiente de grande amizade entre todos. Não há ninguém que fique de parte, se alguém falha e está em baixo tem logo alguém a motivá-lo.

12. O que achas da tua universidade? A universidade é muito boa a nível académico, muito conceituada, os professores fazem-se ver como nossos amigos e tornam as aulas muito interessantes. A nível desportivo é a 4ª melhor do país, na NAIA. Estou rodeado de grandes atletas que jogam a um nível muito elevado. A UNOH tem umas infraestruturas muito boas que me dão um grande conforto em todos os momentos. Estou muito satisfeito com esta universidade e com a experiência que me tem proporcionado!

footer-top